joaquim-evangelista-lanca-duras-criticas-a-dispensa-na-ad-oliveirense

Desporto

Joaquim Evangelista lança duras críticas à dispensa na AD Oliveirense

3 min. 21.09.2018

A polémica em torno da Associação Desportiva Oliveirense continua na ordem do dia. O Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol realizou esta sexta-feira uma conferência de imprensa para denunciar os novos investidores da SAD do emblema de Oliveira Santa Maria, na sequência da dispensa de 18 jogadores que tinham sido contratados no início da temporada.

A situação, pouco usual no futebol, causou muita celeuma e motivou o pedido de ajuda dos atletas junto do sindicato. O presidente do organismo, Joaquim Evangelista, lançou duras críticas aos responsáveis da SAD da AD Oliveirense, mostrando preocupação com os danos que este episódio poderá provocar na vida profissional e pessoal dos jogadores.

"Esta é uma atitude inaceitável e absurda, que compromete o prosseguimento da carreira desportiva destes atletas, mas também a subsistência dos mesmos", referiu Joaquim Evangelista, que aponta este despedimento como "um atropelo" e um "desrespeito pelos compromissos assumidos pela anterior administração".

O presidente do organismo, que pretende levar este cas à Federação Portuguesa de Futebol, à tutela, à Autoridade para as Condições do Trabalho e à Assembleia da República, deseja que este caso possa servir de exemplo para "o que se está a passar um pouco em todos os clubes do Campeonato de Portugal, no qual têm entrado investidores estrangeiros, que nada acrescentam e que julgam que vale tudo", apelando a que haja "medidas de proteção e de fiscalização mais apertadas".

SAD refuta críticas e aponta dedo a Joaquim Evangelista

Sob ponto de mira do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, a administração da SAD da AD Oliveirense recusa as críticas que lhe foram apontadas. "Não mandámos ninguém embora. Fizemos de tudo para que os jogadores ficassem, mas apenas quatro aceitaram reduzir o salário", defendeu-se Israel Oliveira, que argumenta que essa situação tornou inevitável a saída dos atletas já que "seria impossível pagar os ordenados que os jogadores tinham acordado no início da época".

Relativamente às críticas de Joaquim Evangelista, o administrador da SAD desafiou o presidente do Sindicato dos Jogadores a assumir a presidência de um clube "para sentir o que é investir sem saber quando terá o retorno financeiro dessa aposta".

Refira-se que dos 22 jogadores  do plantel, apenas quatro aceitaram continuar ao serviço do clube sob as condições da nova SAD, tendo os restantes, de acordo com o ex-capitão Neves, sido dispensados de forma "abrupta e absurda".

CRÉDITOS DA FOTO: Jornal Record

1 / 0
Norte2020 - 250
Pub - Ulahlah - 250-1
Opinião Pública - 250

Diário

opiniao-publica

Tudo sobre Famalicão no seu e-mail

Subscreva a nossa newsletter
e acompanhe a atualidade famalicense.