leslie-fez-27-feridos-61-desalojados-e-quase-1900-ocorrencias

Notícias

Leslie fez 27 feridos, 61 desalojados e quase 1900 ocorrências

2 min. 14.10.2018

A tempestade Leslie provocou 27 feridos ligeiros, 61 desalojados e quase 1900 ocorrências comunicadas à Proteção Civil, de acordo com o balanço mais atualizado desta autoridade.

A fase pior da tempestade já deve ter passado. Mas ainda assim, a proteção civil aconselha a população a manter-se afastada da orla marítima e de zonar arborizadas ou com estruturas frágeis, dado que estas ainda podem vir a ceder com os efeitos do vento da madrugada.

De acordo com o comandante Rui Laranjeira, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), todos os 27 feridos apresentavam ferimentos ligeiros, ainda que tenham sido transportados a uma unidade de saúde parar receberem tratamento. A ANPC registou ainda três pessoas assistidas no local, que não necessitaram de ser levadas a unidades de saúde.

A tempestade fez ainda 61 desalojados, 57 dos quais no distrito de Coimbra, um em Leiria e três em Viseu.

Das 1890 ocorrências registadas pela ANPC, 1218 diziam respeito a quedas de árvores e 441 a quedas de estruturas, tendo o vento sido o fenómeno que causou maior número de ocorrências, segundo Rui Laranjeira.

De acordo com o comandante, o distrito de Coimbra foi o mais afetado, seguindo-se os de Aveiro, Leiria, Viseu, Lisboa e Porto.

No terreno estiveram 6373 operacionais e 2002 meios terrestres. E ainda se encontram no terreno 1200 operacionais a resolver 900 ocorrências.

A maioria das estradas cortadas devido ao mau tempo já foi reaberta, indicou Rui Laranjeiro, destacando-se o IC2, o IP3 e a A1, na região de Coimbra.

Mais de 300 mil pessoas ficaram sem eletricidade, 61 pessoas desalojadas, estradas cortadas, voos cancelados, danos na via púbica e árvores caídas, são o resultado da passagem da passagem da tempestade Leslie pelo continente.

A EDP Distribuição, que ainda está no terreno a resolver falhas na rede, classificou a situação de "muito grave".

Face às previsões existentes, o INEM ativou no sábado a sua Sala de Situação Nacional para acompanhar e articular com as restantes entidades de Proteção Civil os efeitos da passagem da tempestade.

Na Madeira, onde estavam inicialmente os maiores receios das autoridades, a tempestade passou ao início da tarde de sábado sem provocar grandes sobressaltos.

Mantêm-se os alertas vermelhos e amarelos. Mas a Proteção Civil admite que estes possam ser aliviados ao longo deste domingo.

1 / 0
Opinião Pública - 250
À conversa com... Quim
Pub - Ulahlah - 250-1

Diário

opiniao-publica

Tudo sobre Famalicão no seu e-mail

Subscreva a nossa newsletter
e acompanhe a atualidade famalicense.